Título

Subtítulo

O Lulu da Pomerânia (Spitz Alemão) - História e Origem

 A origem do Lulu da Pomerânia (Spitz Alemão) é tão longínqua que se perdeu no tempo. A teoria mais aceita é a de que descenda dos primeiros cães a serem domesticados pelos homens, estando na origem de todas as demais raças caninas. Por essa condição, é classificado como “cão de tipo primitivo”, por conservar grande parte das características herdadas dos lobos, como o focinho pontiagudo, as orelhas eretas e viradas para a frente da cabeça e a cauda comprida, pousada sobre o dorso.

 No caso específico do Spitz, conhecido até a década de 90 como Lulu ou Pomerânia (nome ainda utilizado pelos criadores americanos e canadenses), especula-se que a raça tenha sido desenvolvida numa região de fronteira entre a atual Alemanha e a Polônia, conhecida como Pomerânia.

Sua expansão pelo mundo ocidental deveu-se especialmente ao fato de ter caído nas graças da realeza britânica. Os primeiros cães da raça chegaram à Inglaterra na bagagem da rainha Charlotte, esposa do rei George III. Contudo, foi com a paixão de sua neta, a rainha Victoria, que os Pomerânias ganharam destaque, principalmente a partir de do século XIX, quando foram aceitos pelo The Kennel Club.

Seu aspecto de pelúcia, sua variedade de cores e tamanhos (a raça apresenta cinco tamanhos diferentes) e seu temperamento afetuoso garantiram que o Pomerânia logo conquistasse um lugar de destaque nas cortes europeias.

Lulu da Pomerânia

Diversas personalidades de variadas épocas mantinham seus pequenos Lulus, entre eles Michelangelo (1475-1564), cujo cão o acompanhava durante o trabalho de pintura da Capela Sistina. Mozart (1756-1791) tinha uma fêmea chamada Pimperl, a quem chegou a dedicar uma ária, no que mais tarde seria seguido por Chopin (1810-1849), que dedicou a valsa “Valse des petits chiens” à sua cadelinha da raça.

Nos Estados Unidos, o Lulu da Pomerânia foi reconhecido como raça independente em 1888.

Personalidade

 São ótimos cães de companhia, bastante dedicados aos seus donos, alegres e dispostos. Os das variedades Pequeno e Anão do Spitz Alemão são ideais para espaços reduzidos e donos moderadamente sedentários, uma vez que se contentam com pequenos passeios. Mesmo os de tamanho maior (Spitz Alemão Médio, Spitz Alemão Grande e o Spitz-Lobo) não exigem grandes níveis de atividade.

De maneira geral e conforme seu tamanho, são cães muito alertas e podem avisar seus donos de qualquer alteração latindo aos menores sinais. Essa característica é um dos problemas para os donos que quiserem mantê-los em apartamentos, devendo ser desestimulada desde a primeira infância.

Os exemplares maiores são bastante resistentes e podem participar de atividades como caminhadas e cooper sem se cansar facilmente.

Com crianças, deve-se tomar alguns cuidados, especialmente visando resguardar os cães. O Spitz Alemão Anão e Pequeno não deve conviver com crianças muito pequenas ou agitadas, que em suas brincadeiras mais atrapalhadas podem facilmente vir a machucá-lo. Portanto, caso a ideia seja adquirir um Spitz em uma casa em que haja crianças pequenas, a supervisão dos pais é fundamental.

Os Spitz estão classificados separadamente no ranking de inteligência elaborado por Stanley Coren em seu livro “A inteligência dos cães”: os Spitz Alemão Pequeno e Anão estão na 23a posição entre as 135 raças pesquisadas, enquanto que o Spitz-Lobo (ou Keeshound) ocupa a 16a posição. Os Spitz Médio e Grande não constam da relação.

De modo geral convivem bem com outros cães e podem, desde que acostumados logo cedo, conviver com outros animais e até mesmo com gatos.

Filhote

Lulu da Pomerânia

Os filhotes, assim como os adultos, impressionam pela delicadeza das formas – e pela quantidade de pelos!

Deve-se tomar cuidados especiais com os filhotes até que atinjam a idade adulta, evitando que sofram quedas que possam comprometer o desenvolvimento de sua ossatura.

É uma boa fase para acostumá-lo ao ritual da escovação, uma vez que durante sua vida adulta certamente será um hábito constante.

Cores e tamanhos

Lulu da Pomerânia

O Spitz Alemão é classificado, segundo a entidade internacional à qual o Brasil é filiado, em cinco tamanhos distintos:

Spitz-Lobo: 50 cm, podendo ter uma variação para mais ou para menos de 5 cm (admite-se até 60 cm, mas o aspecto geral não deve ser comprometido).

Spitz Grande: 46 cm, podendo ter uma variação para mais ou para menos de 4 cm.

Spitz Médio: 34 cm, podendo ter uma variação para mais ou para menos de 4 cm.

Spitz Pequeno: 26 cm, podendo ter uma variação para mais ou para menos de 3 cm.

Spitz Anão: 20 cm, podendo ter uma variação para mais ou para menos de 2 cm.

Os bons criadores evitam os cães menores que 16 cm, uma vez que sua aparência geral e condição física podem ser seriamente comprometidas.

Lulu da Pomerânia

 As cores da pelagem também variam conforme o tamanho:

Spitz-Lobo: cinza-lobo (nuances de cinza). A máscara não deve ser muito escura. Juba mais clara. Os membros anteriores e posteriores são cinza-prateado sem marca preta embaixo dos cotovelos e joelhos. A ponta da cauda e os culotes são cinza-prata claro.

Spitz Grande: preto, marrom, branco.

Spitz Médio: preto, marrom, branco, laranja, cinza-lobo (nuances de cinza) e outras cores.

Spitz Pequeno: preto, marrom, branco, laranja, cinza-lobo (nuances de cinza) e outras cores.

Spitz Anão: preto, marrom, branco, laranja, cinza-lobo (nuances de cinza) e outras cores.

No caso dos cães de cor preta, tanto a pele quanto o subpelo devem ser escuros e não pode haver vestígios de branco ou qualquer outra marcação. O mesmo ocorre com os marrons, cuja pelagem tem de ser uniforme. Os cães brancos devem ser de um branco puro sem nuances, particularmente amarelos que aparecem nas orelhas. A cor mais comum é a laranja, devendo ser unicolor, uniforme, sem apresentar tonalidades da escala.

São aceitos ainda cães de outras cores, como: creme, creme-zibelina, laranja-zibelina, preto e fogo-panaché. Os cães malhados devem ter fundo branco e manchas de cor preta, marrom, cinza, laranja por todo o corpo.

Pelagem

Lulu da Pomerânia

A pelagem exuberante do Spitz Alemão é composta de pelo e subpelo abundantes e deve ser motivo de atenção por parte do dono. A escovação frequente é condição fundamental para que ele se mantenha sem nós e não exale odores.

Outra característica é que, excetuando-se a fase normal de muda, o Spitz Aleão não perde pelos pela casa.

Normalmente os filhotes, após os primeiros três ou quatro meses, passam por uma severa troca de pelos, deixando para trás a pelagem felpuda da infância e adquirindo a pelagem definitiva do adulto. No entanto, para chegar a desenvolver sua pelagem plenamente, leva pelo menos dois ou três anos.

Problemas comuns à raça

De maneira geral os Spitz são cães resistentes e que apresentam poucos problemas de saúde, chegando a viver até 15 anos.

No entanto, como a maioria das raças pequenas, os Pomerânias pode ter tendência a desenvolver problemas como:

Luxação da patela.

Problemas dentários: neste caso o principal cuidado é garantir que a troca de dentes, que ocorre normalmente em torno dos seis meses, seja completa. Se o dente de leite não cair espontaneamente, o veterinário deve ser consultado. Outro problema comum é a tendência à formação de tártaro. Esse problema é facilmente contornado com um programa de higiene frequente e visitas regulares ao veterinário para controle.

Dermatites: menos comuns do que se poderia imaginar por causa da quantidade de pelos, devem ser cuidadas rapidamente e por um veterinário, evitando a perda de pelo e formação de feridas na pele.

 

Visite-nos no Facebook

Participe do Blog - Pergunte

Veja as Fotos

Veja os Videos

6466 views - 1 comment
4697 views - 1 comment
4267 views - 3 comments

 


Newest Members